“Sou fruto de estupro e a favor do aborto”

olga aborto

Claudia Salgado, 28 anos, gerente de varejo, fala de forma corajosa sobre a ilegalidade do aborto e suas consequências absurdas. Um viés humano e sincero nesse momento em que se debate o projeto de lei do nascituro


Minha mãe tinha 18 anos na época em que foi estuprada. Ela não foi a única que sofreu este tipo de violência na família: tenho uma tia que também foi humilhada e estuprada por mais de um homem, mas não teve frutos disso, a não ser o trauma e a vida quebrada.

Somos de uma cidade muito pequena no interior de Santa Catarina. Ela havia saído com minha tia para dançar em uma matinê e, quando voltou para casa, sofreu agressão física muito brutal do avô, que era militar e muito rigído com regras e com relação às filhas saírem de casa. A família era muito grande – eram 5 filhas no total – e havia muita preocupação com relação as filhas ficarem mal faladas.

Estou abrindo isso para mostrar como ignorância só gera ignorância. Meu avô não é má pessoa, mas ele era alcoólatra e muito severo com as meninas.

Minha mãe ficou desesperada depois da surra que tomou e decidiu fugir de casa com minha tia. As duas estavam muito machucadas e vulneráveis e se sentaram desoladas nas escadarias da Catedral no centro da cidade, onde estes dois homens se aproximaram de forma amigável e ofereceram amparo. Elas inocentemente aceitaram e foram passar a noite na casa deles, onde haviam mais homens. Foi quando toda a violência física ocorreu. Minha tia era mais forte e conseguiu fugir, mas minha mãe não conseguiu e foi violentada por mais de um homem. Somos tão parecidas fisicamente que ela mesmo lamenta o fato de nem sequer saber qual deles é meu pai.

Naquela época as coisas não eram bem explicadas – em sua maioria, eram omitidas. Minha mãe não contou a ninguém o ocorrido, pois, além da vergonha, ela ainda se sentia mortificada de medo de que não acreditassem nela. Ela era tão inocente que nem sabia que estava grávida, nem foi atrás de justiça, apenas se fechou. E quando a barriga ficou impossível de disfarçar, ela não pôde mais negar e outra vez passou por mais humilhação. Teve que sair de casa às pressas, pois meu avô queria matá-la. Eu não acho que, para ela, seguir a gravidez foi uma escolha, ela não entendia o que estava acontecendo e só teve essa opção.

Essa história afetou minha vida e a relação com a minha mãe por muitas razões. Ela não tinha a menor estrutura emocional de ter um filho sob aquelas condições e naquela idade. E eu nunca me senti desejada. Minha infância ficou quebrada e minha vida, incompleta. Só soube dessa história quando tinha 11 anos. Até então, ela dizia que meu pai havia morrido num acidente enquanto ela estava grávida, o que eu sempre achei estranho, pois nunca havia visto uma foto ou algum registro de que ele realmente existira.

olga claudia

Minha infância ficou incompleta porque me faltou a figura paterna, minha mãe era instável emocionalmente, me senti enganada e não consegui assimilar quando ela me contou a minha origem. Me sentia humilhada quando via minhas amigas com seus pais num lar ajustado.

Sentia raiva da minha mãe porque ela me teve sem ter me desejado, embora existisse o respeito por saber que ela nunca deixou nada me faltar e sempre fez o possível para que eu crescesse com dignidade, tivesse uma boa educação e nada me faltasse.

Sempre tive o sentimento de que ela se importava comigo, mas não me amava… E até hoje tenho este sentimento, mas hoje é mais compreensível porque, com o tempo, adquiri maturidade para entender o quanto isso foi danoso e o quanto deve ter sido difícil para ela ter que conviver com o fantasma de um ato bárbaro. É muito difícil lidar com a dor da rejeição, ela nos deixa realmente miseráveis… E mesmo que você tente se agarrar a seu orgulho, esbravejar que está tudo bem e ser indiferente a situação, não tem como: aquilo está ali, é a realidade da sua vida e você precisa aceitar.

Acho que nesse caso é visível que a ignorância gerou tudo isso. Se ela tivesse mais abertura em casa e direito de expressão, mais compreensão da parte dos pais, nada disso teria acontecido.

Não sei se cabe dizer que ela poderia ter escolhido interromper a gravidez, pois acredito que ela nem se quer sabia que isso era possível naquela altura. E também sei que no fundo ela não se arrependeu, porque não fui uma filha ruim e nunca dei trabalho ou fiz algo que pudesse fazer com que ela se arrependesse de eu ter nascido. Pelo contrário, minha chegada na família foi recebida com muito amor, inclusive meu avô aceitou e foi um pai para mim. Quem me criou foram meus avós, minha mãe teve mais um papel de provedora, pois sempre trabalhou muito para garantir que nada me faltasse.
Acho apenas que ela deveria ter se empenhado mais em achar estes bandidos, mas, ao mesmo tempo, acredito que ela estava muito fragilizada naquele momento e não tinha condições de lutar por nada além da nossa sobrevivência. E devo confessar que sou uma pessoa de sorte, pois não tive um pré-natal e nasci muito saudável.

O projeto de lei do nascituro

Acho esse projeto de lei um grande equívoco. Acredito que as mulheres deveriam ter suporte financeiro e emocional do governo para tomarem a decisão que melhor fosse conveniente a elas, especialmente num caso de estupro, em que deveria ser totalmente amparada e ter o direito de escolha de continuar ou interromper a gravidez. Não se trata apenas de receber uma esmola do governo, vai muito além disso…  

A favor do aborto

Por ser fruto de um estupro, me sinto até mesmo no direito moral de ser a favor do aborto. Eu sei o quanto foi horrível e quantas vezes desejei não ter nascido, pois acredito que a vida da minha mãe teria sido muito melhor se isso não tivesse acontecido. Ela teria tido mais tempo para concluir os estudos, fazer coisas que uma jovem da idade dela faria se não tivesse um filho nos braços. Ela não teria passado pela dor da reprovação, pela humilhação que passou e teria muito mais chance de ter formado uma família e ter um lar ajustado. Demorou muitos anos até que ela conseguisse (eu já era adolescente quando ela conheceu uma pessoa, com qual ela já está há 12 anos e tem outra filha). Ela também acabou de se formar em Direito, aos 47 anos de idade. Acho muito mais digno interromper uma gravidez indesejada do que colocar uma criança no mundo para sofrer e passar necessidades.

Eu fiquei extremamente sequelada, e não sinto a menor vontade de ser mãe. Não acredito que poderei ser boa o suficiente. Me sinto extremamente insegura e tenho muita resistência ao assunto. Sempre digo que só terei um filho se algum dia estiver em uma relação estável com alguém que queira muito, que me passe essa segurança.

O que podemos fazer

Eu acho que falta promover a igualdade, no sentido de que nós, mulheres, tenhamos autonomia sobre nossos próprios corpos e que possamos decidir por nós mesmas como ter um filho afetará nossas vidas e a da criança inocente. Sem interferência de religião, a mulher necessita ter esse direito e centros de apoio moral e psicológico. Vamos supor que homens pudessem engravidar, vocês acham que o aborto já não estaria legalizado?

Leis como essa são criadas, pois vivemos num mundo cheio de pessoas ignorantes e incapazes de pensar no dano que um estupro causa à história de uma pessoa.

Devemos promover discussões saudáveis e positivas sobre o assunto em um aspecto geral, derrubar dogmas e aumentar a consciência de um assunto que é importante na vida de muitas pessoas. Trabalhar com comunidades locais oferecendo suporte psicológico, oferecer uma plataforma neutra onde a mulher tenha espaço, sem ser julgada, e analisar realisticamente os prós e contras da gravidez. E que a mulher possa fazer sua própria decisão.

Anúncios

196 Respostas para ““Sou fruto de estupro e a favor do aborto””

  1. Patrícia Homem

    Oi Cláudia, parabéns pelo texto.
    Primeiro gostaria de dizer que o aborto já é permitido em caso de violência sexual comprovada no Brasil, o que dificulta é que muitas mulheres não denunciam o abuso e quando percebem que estão grávidas sobra pouco tempo pra conseguir provar, mas caso consigam comprovar é garantida essa assistência.
    Independente de violência sexual, o aborto no Brasil é amplamente praticado, tanto por cirurgias – executado por “profissionais” sem registro nos conselhos, sem garantias de higiene ou quaisquer regulamentações pois a vigilância não alcança esses locais – como pela ingestão de remédios vendidos por traficantes. Isso gera uma imensidade de complicações, infecções durante a cirurgia e durante a recuperação, consequências sérias de um aborto mal praticado, fazendo da curetagem (para tratamento da infecção no útero) o segundo procedimento mais praticado na rede do SUS.
    Em parte, a culpa dessa alta frequência é não haver suporte social nem psicológico às mulheres e aos casais que estão em situação vulnerável e em dúvida quanto à maternidade e paternidade que são uma coisa tão linda e tão séria que devem mesmo ser refletidas e pensadas seriamente.
    Acontece que os abortos clandestinos são praticados por mulheres de todas as etnias, idades e classes sociais, porém as consequências são muito mais sentidas pelas mulheres pobres e negras pois essas têm menos condições de pagar os preços exorbitantes pelas clínicas clandestinas e então se submetem a procedimentos em locais sujos praticados sem quaisquer regulamento com picaretas que se dizem profissionais.
    A ignorância e a falta de apoio contribuem fundamentalmente para essa alta taxa de abortos e suas complicações fazem do aborto uma das principais causas de morte de mulheres na Bahia, por exemplo.
    Um projeto que legaliza o aborto não é tão simples, permitindo o aborto e ponto final, pelo contrário. Com a legalização dos abortos, iniciam-se campanhas, assistências social e psicológica, grupos de apoio e uma série de outras políticas públicas que visam apoiar os casais e as mulheres com alguma dúvida, esclarecendo as reais consequências dos procedimentos e incentivando a reflexão e informação antes da decisão definitiva. Isso permite que uma parcela das pessoas que fariam o aborto desista pois estava passando por um momento de dúvidas e planejamentos incertos para o futuro.
    Àquelas mulheres que permanecem na decisão de aborto, é garantida assistência médica de qualidade, segurança e eficiência nos procedimentos, podendo chegar à diminuição de 100% das mortes por aborto como aconteceu no Uruguai após a legalização. Além disso, é registrada nos países que legalizam uma alta diminuição da quantidade de aborto, vide o Uruguai novamente que tornou-se o País com uma das menores taxas de aborto do mundo após a legalização do mesmo.
    Portanto, legalizar não se trata de permitir o aborto pois o aborto já é permitido na medida em que não consegue ser impedido. Trata-se sim de intervir em um problema de saúde pública que onera o SUS bem como retira a vida de milhares de mulheres em todo o mundo, auxiliando essas mulheres naquilo que precisam em um momento tão delicado.
    Quero crer que a resistência das pessoas a isso é por não compreender mesmo o assunto, pois fica claro, comprovado em pesquisas científicas, que a legalização do aborto diminui a sua prática, salva milhares de vidas e ainda diminui a imensa desigualdade social que existe por trás dessa prática, três resultados que Deus, com certeza, aprovaria.
    Além disso, não culpe seus avós pelo que fizeram na época, era uma questão de educação social, eles não podiam perceber o quanto estavam enganados. Mas isso não dá o direito de vermes que não podem ser chamados de homens se aproveitarem de meninas ou de mulheres ou de quem quer que seja que esteja numa situação vulnerável. A culpa da situação triste que sua mãe teve que passar é daqueles que abusaram dela e de uma sociedade que trata como normal falta de respeito com o corpo feminino.

  2. Francisco Eliciano

    O texto está muito bem escrito. A visão da autora é do tipo “pé bem fincado no chão”, muito realista.
    A experiência que ela relata é dificílima… como ela diz, muitas vezes pensava ser melhor pra ela e sua mãe se não tivesse nascido.
    Só que esse pensamento é comum entre adolescentes e jovens, então não penso que seja um mal próprio e exclusivo de pessoas na situação dela. Não mesmo.

    Não quero dizer que tenha sido fácil, ao contrário, como disse no início, mas muitos problemas teriam sido evitados se a mãe tivesse tomado outra postura.

    Não culpo a mãe – de jeito algum – mas o que quero dizer é que esses problemas são enfrentados por diversas famílias em muitas ocasiões difíceis, como envolvimento com drogas, acidentes de trânsito, alcoolismo e muitos outros casos.

    Enfim, abortar não é a solução. A vida da autora vale a pena!

    • vanuza

      A história da sua mãe é realmente barbarea e triste…
      Mas o que ela sentiu e sente…só ela pode saber; a história é SÓ DELA

      Apesar de vc ter sido fruto deste ato…e de ter vivido com seus fantasmas e frustrações… não te dá o direito de decidir o destino de outras histórias.

      Uma vida para Deus; vale mais do que o Mundo todo, pesado em ouro e prata.

      Sua Mãe ao meu ver…é uma mulher maravilhosa e abençoada por Deus. Pois
      apesar de tudo…ela optou por VOCE; A VIDA!!!
      Caso contrario; sê não o aborto, teria a opção do abandono ou outras…

      Ame Sua Mãe, SUA VIDA e principalmente A VIDA DO TEU PRÓXIMO.

      Entregue seus caminhos AO Senhor Jesus e será Salvo tu e a tua casa!!!

      Fique na Paz do Senhor

      • Aparecida

        Vanusa,acredto que a mãe dela não optou por te-la pois visto toda situção de ter um pai agressivo e machista e vivendo num interior muito paternalista, ela nem sabia que essa opção de aborto existia, justamente pela falta de instrução.
        Eu sei o que essa moça sente: sou adotada e minha mae biologica tentou fazer um aborto clandestino de mim e não conseguiu. Não julgo ela por isso,pois ela tinha 14 anos quando engravidou, foi expulsa de casa e um tempo depois caiu na prostituição por falta de opção. Nasci desnutrida e tenho ate hoje sequelas fisicas por isso. Não me acho sortuda por isso, nem que eu tenha uma “misão” por ter sobrevivido e ter conseguido ser adotada, eu tenho muitas sequelas e traumas disso e isso mais atrapalha que ajuda. Perdi muitas oportunidades na vida por isso e acho que isso seria melhor aproveitado por outras pessoas que não teriam esses traumas e conseguiriam dar prosseguimento ao que eu não consegui.
        Se pra uma mulher que deseja um filho ja é complicado ver seu corpo mudar, ter a insegurança e medo do parto e de não saber ser uma boa mae para seu filho desejado, imagina como fica a cabeça de uma mulher que alem disso tudo, fica lembrando do horror que foi ter seu corpo violado contra sua vontade e ainda ter um fruto disso por toda a vida.
        Deus pra mim é muito injusto ao permitir que um ser sofra em prol de outro. Se Deus fosse tão justo assim ,puniria o estuprador, o algoz não a vitima.
        Alias, se for olhar a Biblia, Deus abortou seus filhos, ja que se na sua teoria somos filhos de Deus,ele acabou assasinando um monte com o diluvio e a destruição de Sodoma e Gomorra.
        Quando uma familia deseja muito um filho e por problemas não conseguem gerar um filho, vão a um geneticista que faz com ovulos humanos o mesmo que faz com ovulos de cabras, cavalos e vacas.Então por que apenas o feto humano é divino e os dos animais não,se a forma de concepçao é a mesma e eles sentem dores e tem sentimentos como nós
        Acho que isso é muita hipocrisia achar que um ser divino vai se importar apenas com uma das especies que criou e deixar o resto pra la.

  3. Maria Tereza Carvalho

    Interessante, mas o fato de ela ser fruto de estupro ou querer ou não viver não faz diferença nenhuma. Qualquer um poderia não ter nascido se a mãe estivesse com dor de cabeça no momento da concepção, ou se ela tivesse tido algum acidente logo no início da gravidez. 30% dos casos de gravidez sempre terminam em aborto espontâneo. Um feto não é uma pessoa. É lógico que ele é inocente e indefeso. Uma mosca também é. Uma pessoa só passa a ser uma pessoa quando ela existe enquanto tal para as outras. Se vc matar uma criança , quem vai sofrer e pedir justiça não é ela, é a família dela. Se uma mulher faz aborto, na maioria das vezes ninguém fica sabendo disso. “Sumir” com um feto não é igual a sumir com uma pessoa, ou seja, aborto não é assassinato. Ao contrário, aborto legalizado poderia diminuir muito os níveis de violência a longo prazo, como aconteceu nos EUA.

  4. vanuza

    oi claúdia sinto muito,nunca tive coragem de contar para ninguem minha historia que se paresse muito com a sua, mais no meu caso eu sou a mãe desesperada,tudo aconteceu a 10 anos atraz quendo fui vitima de abuso sexual por parte de um rapaz que veio a frequentar a mesma oficina de teatro que eu frequentava.foi horrivel ver alguem que parecia tão inteligente e educado se transformar num mostro,um bicho tão inracional,eu gritava, chorava enplorava para sair ele parecia um louco.então comece a dizer que eu ainda era virgem e polo amor que Deus tinha por ele não fizesse essa maldade comigo. Foi quando senti o corpo dele cair sobre mim ele me ameaço dezendo que por mais que eu contace para alguem ninguem jámais iria acreditar em mim.foi ai que resolvi me cala,mais depois de uns dois meses e meio comecei a ter enjoos e so no terceiro mes minha mestruação parou,veio o desespero o filho da puta havia gozado ensima de mim e eu estava gravida,e já era tarde para abortar não podi contar pro meu pai pois tinha a certeza de que se tornaria um assasino antes de piscar os olhos e tambem nunca tive a coragem de contar a ela o que aconteceu,serei eternamente grata por ela, meus irmãos, vizinhos e amigos terem me apoiado neste momento tão dificil da minha vida.com isso meu pai deixo de falar comigo disse que eu era um dedo cortado para ele e se a criança entrace na casa ele sairia pois não iria sustentar filho de vagabudo,tive minha filha no dia de finados de2002 minha mãe fez questão de ir me buscar no hospital quando chegamos em casa o clima era tenso poi não sabiamos qual seria sua reação,acho que por causa das vizitas de vizinhos e amigo ele resolveu ficar calado,mais com um mês depois ele separou-se de minha mão sinto-me culpada por isso e por tela que deixa-la maior parte do tempo com a vó enquanto trabalho vivo por ela e sempre fiz qestão de deixar isso bem claro não sei onde o pai dela estar mais no momento que ela quizer conhece-lo eu não medirei esforço para tentar coloca-la frente á frente se isso não acontecer terei que contar tudo o que aconteceu a ela,e a ela vai caber o direito de me julgar de acordo com seus sentimento e isso me da medo.Nunca consegui me relacionar com ninguem e creio que nunca conseguirei e horrivel não poder contar a ninguem o tamanho da dor que sente chorar escondido para que as pessoas não vejam suas fraquezas,por isso sou a favor da legalização do aborto no brasil.

    • vanuza

      Amada, minha intensão não é medir dor, mas gostaria de lhe fazer uma pergunta:

      VOCE CONSEGUIRIA VIVER BEM, HOJE, SEM A SUA FILHA???

      “…Todas as coisas cooperam para o bem, daqueles que amam A DEUS.”

      Fique na Paz do Senhor.

  5. isack matos

    Realmente é uma história incrível.Porem não sou extremamente contra o aborto e contra a sua legalização…
    observado a história posso em minha plena consciência mental,entender o que a mulher passou,mas insuficiente é o fato de acreditar que o aborto liberta ou simplismente apague o que vivenciou! não tenho simplismente certeza,e sim convicção de que o aborto nao liberta,mas traumatiza mais ainda!!!
    fruto de uma violencia pode ser,mas nao traz direito algum de tentar apaga-lo,afinal é de um ser humano que nós estamos falando!
    se aconteceu e nao qer o filho(a)..não cria e nao o traga para si.Nao é em vão que existem casas pra crianças que vivem essa pré batalha!

    • Julia

      Vc não precisa ter certeza ou convicção de nada.. Quem precisa ter é a mulher que decide fazer o aborto. É problema dela, é a vida dela, o corpo dela. Portanto fique com suas certezas bem longe de nós.

      • Vanessa Bonifacio

        O corpo da mulher sim, mais a do feto não pertence a ela!! A mulher que aborta terá que conviver com esse sentimento de culpa (matar o seu próprio filho)por toda vida. Só quem já fez isso, poderia votar se aprova o aborto ou não!! Se as pessoas presenciassem um aborto, estariam indignadas com essa lei!!!

      • Julia

        Vanessa, o feto está dentro do corpo da mulher. Dentro do útero. Depende disso para sobreviver. É de escolha da mulher gerar ou não, continuar a gravidez ou não. Nunca vai fazer sentido obrigar uma mulher a continuar grávida. Ninguém pode fazer isso. Tentam, mas não funciona. Se a mulher que escolhe abortar vai sofrer de arrependimento ou ficar aliviada, isso é problema dela também. As dores serão dela, o arrependimento ou o alívio. Nem o estado, nem igreja, nem homens tem que se meter nesse assunto. Cabe ao Estado somente reconhecer a autonomia das mulheres e dar a elas, a nós, uma oportunidade de fazer isso com segurança, higiene, e sem risco de vida para a mulher! Se o procedimento for feito no prazo que no Brasil é de 3 meses, o embrião/feto não vai sofrer, não vai lutar pra viver, não vai chorar, já que nada disso é possível para um organismo sem função cerebral. Criminalizar o aborto só possibilita que mais mulheres morram decorrente de abortos mal feitos. Mulheres pobres, mulheres negras, mulheres católicas, mulheres evangélicas, mulheres sem nenhum apoio, mulheres desesperadas. Por quem tem dinheiro faz seu aborto limpinho e ninguém fica sabendo.

    • F. ernand

      Consumar um filho e joga-lo? esta criança crescerá. Com a burocracia que é este país talvez os processos de adoção aconteçam depois de uma certa’ idade e aquela criança sera traumatizada eternamente crescerá sem pai ou mae.. isso não ´seria um trauma só para a mãe que carregaria o feto por 9 meses, sem falar na dor parto, o sangue e o risco de morte, mas para a criança tambem.
      Ou seja clinicas medicas especializadas deveriam ser instituidas para um processo digno. As pessoas deveriam ser melhor educadas.. acesso a educação sexual tambem é essencial e segurança reforçada e vigorante. a mulher não deve ser criminalizada deve ter o direito a escolha e apoio.

  6. Fred Di Giacomo

    Ótimo post e triste história. Força pra você e tomara que as pessoas sejam livres para escolherem o que for melhor para elas 🙂

  7. Josemar

    Olga, tú e a tua mãezinha são especiais, não tenhas vergonha e nem rancor dela antes tenha muito orgulho do grande ser humano que ela é. Não tenciono minimizar a tua história ela é realmente interessante. Sou filho de um senhor que nunca vi na vida e nunca sequer pensou em me procurar, hoje tenho 22 anos e sempre fui criado pela grande joia que é a minha mãe.

    Li comentários contra o aborto por parte de pessoas que são cristãs, mais uma vez os cristãos se mostraram egoístas, eles esquecem-se sempre que nem todo o mundo é cristão, e falar que a vida é sagrada também é opcional, tenho muitas dúvidas que Deus acha a vida sagrada, pois segundo a bíblia ele matou milhares de pessoas só para mostrar o seu ego e forçar adoração por parte dos homens. Repito, será mesmo a vida sagrada para Deus?

    Sou angolano, e claro, africano, vejo coisas arrepiantes e de arrancar lágrimas até ao próprio assassino, vejo crianças a morrer de fome, sede, crianças morrendo por má nutrição, vejo pais desesperados sem saber o que fazer.

    Nesse momento, há seca no sul de angola e muita criança está a padecer, é fácil ser moralista e pensar que Deus dará troco a tudo quando as coisas não estão na nossa pele.

    Agora eu volto a perguntar: Aonde está o amor de Deus para com aquelas crianças? Acham que muitas daquelas crianças e seus pais nunca desejaram a morte?

    Venham pra África e veram se Deus acha ou não a vida sagrada.

    • alexandre

      Nossa gostei do seu comentario e as vezes penso assim também !!!

  8. Bianca

    As pessoas que colocam Deus e um monte de retórica abstrata blahblablah no meio dessa imundície toda nunca passaram pelo que vc passou, Claudia. Ou passaram e são covardes, contribuem pros podres desse mundo continuarem a acontecer em nome de um Deus vendido e ausente. Vc abre seu coração de forma tão dolorosa e corajosa e ainda tem gente capaz de escrever merda. É mesmo impressionante.
    Se eu fosse vc já estaria ignorando todos os comentários pra naum se estressar ainda mais, mas caso vc ainda esteja lendo, queria te agradecer muito, do fundo da alma, por este relato. Ele é de um tipo raro no tema e portanto cala a boca de muita gente que só atrapalha a discussão, embora os mais boçais continuem firme… Mas esses ninguém salva. Só Deus! Bwahahaha! Malz, o post tão sério, mas naum resisti…

  9. marta

    Meu amor, fiquei emocionada com o fato. Eu quero te dizer que: você é muito especial,inteligente ,sua mãe deve se orgulhar de você. Não se culpe, Deus permitiu que vc fosse gerada, para que fizesse à diferença, lembre-se existe em vc um pedaço de sua mãe, e esse pedaço certamente bom e humano vc herdou dela, não seria justo punir o caso tirando a sua vida e arriscando a de sua mãe, quem fez isso um dia certamente será julgado por um Deus que te ama e a sua mãe também ela suportou tudo isso por amor à vc, pois só aquele que ama tem algo à oferecer. Um grande abraço. Marta

  10. Paula

    As pessoas criticam as mulheres que são a favor do aborto, porém ninguém condena os homens que engravidam, são resistentes ao uso da camisinha e depois nem se importam nem com a mulher e nem com a criança….vivemos num mundo de machismo. Sua história é impressionante

  11. Geovana

    Só pq ela foi vítima de aborto e nâo é feliz consigo mesma isso não quer dizer que as outras vítimas devem ser mortas sem direito de escolha, a mãe dela que foi estuprada, quem sofreu mais foi a mãe e nem porisso desistiu da vida e ainda teve outra filha! ela não pode responder por todas as vítimas de aborto.

    • Andrea

      A legalização do aborto não vai obrigar ngm a abortar, caso assim não queira, independentemente das circunstâncias de concepção da criança. Muito diferente do que ocorre agora. A mulher é dona do seu corpo, e não cabe ao Estado, muito menos ao Deus dos outros dizer o que ela deve fazer. Deve poder abortar sim, e não somente em caso de estupro, por simples e pura falta de cuidado tb. Ninguém é santo, nem nunca será, e não cabe aos não santos julgar o que os outros fazem ou deixam de fazer se não atinge sua esfera pessoal. Se você acha que aborto é errado, simplesmente não faça, mas não diga aos outros que não devem fazer também.

  12. Danielli Marins

    Acho que o governo, ao invés de proporcionar pensão alimentícia ao nascituro, deveria oferecer atendimento psicológico às vítimas de estupro, o dinheiro seria muito melhor utilizado e preservaria a integridade da mulher. Além disso, para as mulheres que decidam não abortar, devido a questões religiosas e/ou outras crenças, o tratamento psicológico também seria válido, pois ela aprenderia a lidar melhor com a situação.

  13. Guilherme Amaral

    Depois de tantos achismos, e opiniões diversas baseadas em “n” motivos, deixo aqui algo que considero poder afirmar como verdade. A proibição do aborto corrompe os direitos de várias linhas de pensamento, enquanto sua legalização permite que opiniões adversas sejam respeitadas. Com a legalização, não há incentivo nenhum para que as mulheres façam abortos, não há incentivo nenhum para a destruição da “instituição família”, só existe a possibilidade de que cada opinião seja respeitada. Se você é contra, poderá continuar espalhando sua ideologia à vontade, e tentando convencer o mundo de sua opinião, ninguém te impedirá do contrário. Desculpe, mas as pessoas a favor da criminalização do aborto só pensam em suas próprias ideologias. Lembrem, o seu direito termina onde ele interfere na vida de outro ser! E não considere um embrião como ser! A ciência não o considera. Se você considera, é uma opinião pessoal, leve-a com você, e respeite a dos outros.

  14. Moacir Marcos

    E onde é que o Estatuto nega o direito ao aborto em caso de estupro???

    “Art. 13. O nascituro concebido em decorrência de estupro terá assegurado os seguintes direitos, ressalvado o disposto no Art. 128 do Código Penal Brasileiro:”

    Ô preguiça de ler desse povo…

    • Andrea

      Preguiça de você, amor… Que tá mal informado… A discussão aqui envolve o projeto de lei do nascituro, que prevê que inclusive nos casos de estupro a mulher não poderá abortar…. Além disso, a discussão vai mais longe, e a exemplificação do estupro foi tão somente para mostrar que independente da forma como essa pessoa veio ao mundo (no caso, um estupro), ela é a favor da legalização do aborto, que deveria ser opção de cada umA, sem levar em consideração se a gravidez foi resultado de um estupro, de uma noitada de uma noite só, de ter ido pra cama com o namorado, noivo ou marido. Aliás, dentre todas as pessoas que poderiam interferir na decisão de um aborto, esses três últimos são os únicos que tem algum direito de opinar, e sim OPINAR, porque a decisão final é da mulher, o corpo é inviolável, tanto que homem nenhum é obrigado a fazer exame de DNA, porque ele escolhe o que pode ser feito e deixado de fazer com seu corpo, coisa que as mulheres não podem, porque carregam esse FARDO de gerar vidas, inclusive quando assim não desejam.

      • Julia

        Andrea, o fato de tornarem isso um fardo, a sociedade como está organizada, eu digo, não torna a capacidade de gerar vidas um fardo. O fato de tornarem isso um fardo não quer dizer que seja um fardo. Dificultam tanto a nossa vida por conta dessa capacidade que fica mesmo parecendo que é uma coisa ruim. Isso só mostra como o patriarcado é insano e completamente fora da lógica.

  15. Thais Machado

    Independente da posição de a favor ou contra o aborto, a historia é emocionante e faz se refletir. mas em relação a um contexto geral
    1. Em caso de estupro, matar o feto faz a mae passar do papel de vitima para criminosa. Nao se concerta um crime praticando outro, ainda mais assassinando alguém que nao tem culpa de ter sido gerado.
    2. A mulher nao vai apagar as marcas do que sofreu, pelo contrario, além do trauma de ter sido estuprada, terá o trauma de ter matado o filho. E isso nao tem a ver com crenças, é um sentimento humano.
    3. O Estado tem a obrigação de proteger o nascituro. O Estatuto do Nascituro está mais do que correto e já deveria estar em vigor há muito tempo.
    4. Um aborto é o mais cruel dos assassinatos, a vítima nao tem a mínima chance de se defender.

    não estou aqui pra defender religiões, mas vi muitos comentários a respeito disso…é muito fácil você colocar a bandeira do super Descolado!! e falar que é a favor do aborto, que é a favor do casamento gay.. entre outros !!mas se o negocio é ser respeitado, a opinião do contra também deve o mesmo respeito.

    • Guilherme Amaral

      O engraçado é o seguinte Thais, se você é contra o aborto, a legalização de nada te impede de não abortar, não incentiva ninguém a abortar, não incentiva ninguém a não ter filhos… Só da o direito as pessoas que não o querem… Se estamos falando de direitos iguais, a legalização proporcionaria isto para os dois lados, você poderia continuar levantando a bandeira contra o aborto, mas daria o direito a cada um de escolher o que é melhor para si.

    • Julia

      que mulherzinha patética, egoísta e pequena você é. quer dizer que obrigar uma mulher vítima de estupro a gerar e parir (só falta querer obrigar a criar também) está ok? bancar a bandeira do reacionário religioso que não vê um palmo a frente do nariz é que é legal, né?

  16. julia andrade

    Quero saber se algumas dessas pessoas que dizem que “Deus sabe o que faz” ja foram estupradas. Hipocrisia é altissima nessas pessoas. Se existe ou não um Deus, creio que ele não faria mulheres inocentes passar por algo tão bárbaro, tão humilhante só porque ele tem um “plano” se esse Deus de vocês faz isso, ele é realmente um ser egoísta. E quem acredita nisso, é pior ainda.

    • Angela Lima

      Julia, Deus não faz mulheres inocentes serem estupradas porque Ele tem um plano. É exatamente o contrário. Coisas como essa ocorrem não por causa de Deus, mas por causa do próprio homem que é mau e só faz o que é mau. Deus não interfere no nosso livre arbítrio. Mas Ele pode, sim, transformar maldição em bênção. E fazer da vida da Claudia, que falando de forma prática nem era para existir, em uma bênção.

      • Eduardo Semerjian

        Angela Lima, você tem idéia de quantas contradições está dizendo aqui no seu comentário? De onde você tirou isso? Quer dizer que só o que é bom é feito por Deus? Ah, pelo amor d’Ele, vai estudar um pouco de Catecismo. Até lá você pode ver que o que está falando é uma bobagem.

    • Luis F. Sperandio

      Simples assim colocar a idiotice, a intolerância e a violência do ser humano na conta de Deus. É muita falta de conhecimento.

      • Aline

        Bom, até o livre arbítrio é obra de Deus… É meio complexo, porém é o que é…

  17. Nath OP (@nath_ommundsen)

    Claudia, você me fez chorar com sua história. Nem consigo imaginar o peso que você carrega e ao mesmo tempo tem uma visão madura sobre o assunto. Na verdade, acho que ”ser a favor do aborto” não é o termo, eu penso que ninguém faz isso por diversão, ao contrário do que as pessoas gostam de julgar. O fato é que há gravidez indesejáveis e quando acontece, a mulher tem se obrigatoriamente passar por ela? Independente se for estupro, anencéfalo ou descuido, ninguém tem o direito de interferir na vida do outro, muito menos apontar o dedo inquisidor. Eu sou pela descriminalização do aborto. E acabei de me tornar sua fã. Um abraço grande e torço pra que você um dia encontre a paz que está em você, ou que alguém especial lhe mostre. =)

  18. Bruno Luiz

    Claudia. Interessante ponto de vista e belo texto.

    Mas quem estiver pensando em abortar, pode dar seus filhos para mim, que eu cuido e crio. Apesar de me sentir condoído com o depoimento – aliás, belíssimo – eu pessoalmente, não sou a favor da legalização do aborto.

    Uma opção a se pensar seria uma campanha de conscientização para pessoas que estariam dispostas a “tirar” este peso das costas da mulher que forçadamente concebeu uma vida mas realmente não tem condições de criar a criança. Para mim, a melhor maneira de tirar este peso que, concordo, não é justo uma mulher carregar caso tenha sido forçada a isso, é criando e amando esta criança por ela. Por isso, as dê para mim que eu dou um jeito e cuido. 😀 Paz.

  19. Jeany S. Francisco

    Quando uma criança nasce, mesmo sendo fruto de um ato tão terrível, é porque deus tinha um plano. Agora quando uma criança não nasce é porque a mulher que decidiu é um monstro. CADÊ DEUS ENTÃO NESSA HORA DE “SALVAR” essa criança?
    Por favor, parem de impor as suas crenças religiosas onde simplesmente não está aberta essa discussão. O depoimento em questão, me parece o mais justo vindo de uma vitíma, um olhar e opinião não tão comum.

    Usem para somar junto a tantos depoimentos sobre mulheres que abortaram e se arrependem, como de mulheres que abortaram e defendem a causa. A partir daí criem a sua opinião.
    Uma visão só é burra, é fácil e preguiçosa.

    Agradeço muito à Claudia por compartilhar sua história.

    • Aline

      A história foi exposta a nós, automaticamente nos dando direito a expressar como nos sentimos e pensamos sobre tal assunto e isso é algo subjetivo, ou seja, seja, cada um se expressa da forma em que achar melhor, incluindo ou não suas crenças nisso. Acho que quem precisa parar e respeitar o espaço alheio aqui não somos bem nós…

  20. Helio Souza

    Eu leio e releio o texto e não consigo sair do mesmo raciocínio: “que mente brilhante!”… Aí imagino esta mente privilegiada jogada numa vala comum, numa lixeira, numa destas pocilgas onde se fazem abortos clandestinos… Sem chance de ter nascido, sem chance de se expressar, sem chance de chegar a estas conclusões que só chegou porque lhe foi permitido viver… Que contrassenso! A mãe, aos 40, fez o que poderia ter feito aos 20, e não consigo ver onde está o problema de ser feliz tardiamente (se é que isto é possível).
    Já a menina, fruto da agressão gratuita, que não pediu pra nascer, vive e como vive! É inteligente, articulada, corajosa e provavelmente será uma mãe exemplar! Graças a Deus o aborto não figurou como opção! teríamos perdido muito! Ah, antes que eu esqueça: Claudia, não se agaste por ser desajustada emocionalmente. A imensa maioria também é. E nem são frutos de algum tipo de violência, é porque a vida anda tão complicada mesmo. Relaxe e tire este peso das costas, ele é inútil. Afirmar que não tem desajuste nenhum é que é sinal de desajuste! Pensa esta coisa toda pelo lado contrário: tua mãe se ferrou pra que tu pudesse viver. Agora trate de fazer valer a pena esta dor toda. Viva! Querendo ou não, você não foi descartada, está no jogo. Agora JOGUE, GANHE!

    • Aline

      Nossa! Falou tudo o que eu gostaria de falar. Embora não tenha me pedido avaliação ou opinião de algo, quero dizer que concordo plenamente com tudo dito por você….

  21. alexanderfeldmann

    Claudia (permita-me tratar-te pelo primeiro nome), você nos narrou a tua visão com base na tua experiência de vida. Como conclusão, permite-se ser favorável ao aborto. Deixe-me te dar uma outra visão, um tanto atravessada, baseado na minha experiência de vida. Sou filho de um sobrevivente do Holocausto. Meu pai é vivo, ainda, e está com 87 anos, lúcido e ágil como um homem com 50 anos – eu tenho 57 anos e ele me supera em vitalidade e agilidade. Quando tinha 17 anos, meu pai foi aprisionado em Auschwitz (campo de concentração nazista na Polônia) juntamente com toda a família, composta por pai, mãe e onze filhos/filhas. Foi obrigado, assim que entraram no campo, a assistir a separação da família e ao extermínio de nove irmãos e irmãs mais novos que ele, juntamente com sua mãe e muitos outros/outras mulheres e crianças nas mesmas condições. Foram todos jogados em uma vala e “banhados” com napalm em chamas. Dali, seu pai, seu irmão mais velho e ele (segundo mais velho) foram para trabalhos forçados e marchas forçadas para outros campos: Kittlitz-Treiben e Buchenwald. O detalhe é que as marchas forçadas eram na neve e eles iam vestidos com sacos de cimento ou trapos. Em Buchenwald, meu avô foi rasgado vivo por cães mastins alemães dos soldados. Sobreviveram meu pai e meu tio, sendo que esse último veio a falecer no ano 2000. Ao final da guerra, libertados pelos aliados, meu pai estava com quase 19 anos e meu tio com 20 anos, sem pais, sem irmãos, sem casa, sem nada. Cresceram com ajuda de entidades de apoio criadas no pós-guerra (hoje seriam ONGs) e casaram, constituindo família. Seria natural se supor que meu pai fosse um deprimido e defensor de pena de morte para criminosos, etc. Ledo engano. Meu pai NÃO É RELIGIOSO, mas me passou a cultura do perdão, da honestidade, do amor – principalmente do amor à vida. E eu só vim a saber da epopéia de meu pai quando tinha uns oito anos de idade, pois ele evitava de falar disso antes que eu atingisse um mínimo de entendimento do que me cercava. Então, há diversos tipos de reações aos fardos que a vida deposita em nossas costas. E nós só estamos vendo dois tipos, dos inúmeros que existem: o de tua mãe e o de meu pai. Quanto ao aborto, eu tenho a minha própria opinião: não posso ser favorável ao aborto, da mesma forma que não aprovo assassinatos e nem a pena de morte. Penso que as pessoas favoráveis ao aborto, sem nenhuma exceção, já nasceram. Mas não pensaram no que ocorreria se suas mães tivessem exercido essa opção quando as estavam gestando. Um beijo de luz no teu coração.

    • Marina

      Óbvio que que é a favor do aborto ja nasceu. Para ter opiniões é preciso estar vivo . Se VOCÊ é contra o aborto não faça um. Agora, que direito tem vc de julgar e decidir sobre o futuro de outra mulher, mulheres que vc nem conhece? É vc que irá criar essa criança indesejada? É vc que irá estar com a mãe quando a criança chorar, quando ela, a mãe, estiver infeliz com o rumo de sua vida? Sou contra o aborto pessoalmente, porém respeito o direito de escolha de uma mulher sobre sua vida,sobre o próprio corpo .

  22. alexanderfeldmann

    Com todo o respeito às opiniões e sentimentos de todos e todas que leem ou venham a ler, deixo a minha humilde opinião a respeito do aborto: todo aquele ou toda aquela que é favorável ao aborto por livre vontade da mulher que esteja grávida, certamente já nasceu.

  23. Cláudia

    Achei seu depoimento tocante e enfoque tão autêntico….Vc e sua mãe são vítimas e não devem nunca carregar culpa alguma !

  24. Renato

    Ela não fala de Deus em nenhum momento do texto, nem contra, nem a favor. Por que vocês têm que vir falar isso, do nada? Deus tem um plano? E o plano dele era que a mãe dela fosse estuprada? Por favor, respeitem a moça que foi corajosa demais em expor tanto da própria vida.

  25. arnaldo

    Um caso em isolado não constitue referência pra nada, ela poderia ter sido entregue a adoção e ter sido feliz como são milhares de crianças adotadas pelo mundo afora, aborto é desumano, cruel e imoral e pra mim deveria sempre continuar sendo crime

    • Paulo Garia

      Nestes casos sou a favor do aborto, pois não vem de uma estrutura familiar. E não traz benefícios para a mãe e nem pro filho ou filha

      • Guilherme Amaral

        Porque somente nestes casos Paulo? Acho que está extremamente equivocado… Me diga qual a diferença entre um embrião fruto de um estupro, ou um embrião de uma família estruturada, do ponto de vista genético? Porque a mulher não tem o direito de escolher até o terceiro mês de gravidez, se quer ou não quer o bebê por qualquer motivo, ao invés de somente por estupro?Se você é a favor da vida de um ser que nem é considerado existente ainda, seu comentário não faz sentido algum.

  26. Andreza

    Os comentários sobre o texto dessa garota estão me dando ansia de VÔMITO. Como é que as pessoas se dão ao direito de falar de “planos de Deus” ou que “nada é por acaso” quando a garota foi gerada devido a um ESTUPRO?? Onde está Deus quando a tragédia ataca? ele sabe onde estamos e o que está acontecendo conosco? ele vê quando estamos sofrendo? ele realmente se importa? se sim, por que não vem nos socorrer? ele quer uma vida vinda de um ato violênto como o estupro? se deus existisse ele seria tão maravilhoso que jamais permitiria uma barbaridade dessas, as pessoas realmente são muito ingênuas por acreditarem nesse tipo de coisa, ainda mais quando esse deus é visto como ONIPOTENTE, ONISCIENTE e BENEVOLENTE..quem precisa de um DEMÔNIO quando “existe” um “DEUS desse né???? MONSTRO!!!!!!!!!!

    • Thiago

      Andreza, eu costumava a acreditar em Deus, mas depois de ler o que você falou, refletir bastante, creio que tenha razão. Deus de fato não existe, senão violências desse tipo não aconteceriam. Ele não teria “planos” para pessoas geradas a partir de um estupro… A história de Claudia é duríssima e, se ela é a favor do aborto, quem sou eu para ser contra…

      • Luis F. Sperandio

        Curioso não é: há mais de 50 anos tentam de todas as formas banir Deus da sociedade e quando acontece alguma tragédia ficam se perguntando onde Ele está??????? EU TENHO O PODER de scolher entre o berm e o mal, entre o puxar o gatilho ou não, entre estuprar ou não, EU ESCOLHO. Colocar a culpa em Deus pelas tragédias da humanidade é insano, não somos fantoches nas mãos Dele. Tenho pena de quem não tem fé.

      • Dani

        Só se Deus enviou a Cláudia pra nos alertar sobre o aborto! Ele está nos dizendo que tudo bem! Pode legalizar! Deve ser esse o plano Dele para todo o sofrimento da família dela…

    • Angela

      Gostaria de deixar claro que o que escrevi foi única e exclusivamente para a Claudia. Então não se sintam na necessidade de ler e criticar o que disse. Além disso, eu mencionei a pergunta que todos fazem quando se fala em Deus num momento como este: onde ele estava? Te digo que ele estava ali, ao lado da mãe de Cláudia, ajudando-a a superar este momento, como uma guerreira que é. E não impediu o ato simplesmente porque eu e você fomos criados com livre arbítrio. Se fôssemos meros fantoches em sua mão, ao passo que nos impedisse a cada movimento em falso que fôssemos dar, o livre arbítrio seria uma farsa, e nunca teria havido queda. Ele seria um mero ditador. Agora quero chamar a atenção para algo que disse: DEUS É CAPAZ DE TRANSFORMAR MALDIÇÃO EM BÊNÇÃO. O que advém de algo terrível, como um estupro, se transformou na Claudia, uma pessoa brilhante ao pouco que pude ler sobre ela, Não condeno quem aborta, é uma situação extremamente difícil. Sou mulher, não sei o que faria nesta situação. Mas DEUS pode sim, transformar a maldição imposta por homens maus que seguem os maus desígnios de seus corações, em grandes bênçãos.
      Claudia, creia nisso. Sendo a favor do aborto, vc como que renuncia sua própria vida. Sinto em suas palavras: “preferia não ter nascido, pois assim minha mãe poderia ter uma vida melhor”. Mas vc está aqui, e Deus tem um plano para sua vida.

    • Geiza Lopes

      Num mundo onde impera a violência, a corrupção, a imoralidade e a apostasia as pessoas perguntam: “Onde está Deus?” Nós respondemos: Deus está no trono! Ele reina! Ao mundo que O rejeita e escarnece de Sua Palavra, Deus o entrega a si mesmo. Deus dá ao homem insensato o que ele deseja. E Deus permite ao homem experimentar o que ele mesmo busca. E o resultado é o sofrimento, pois não há maior juízo do que Deus dar ao homem o que ele busca”

  27. Enio

    Aviolencia nao acaba, aviolencia continua como anti… tem lei, mas alei noa respeitado pelos brasileiros…

    • erostheboinextdoor

      Joseph, respondi no seu blog o seguinte texto e tb gostaria de lhe informar caso voce nao possua utero e nao sofra violencia e discriminacao por ser do sexo feminino, esse assunto nao lhe pertence.

      Ola,
      Primeiramente achei nao so este post mas o blog em geral, super cheio de ideas pre-concebidas e um certo tom de menosprezo pela experiencia da vida de outras pessoas.
      Eu conheco a familia em questao e com todo o respeito que possuo a autora deste texto, posso lhe garantir que ela expos a violencia de forma respeituosa as partes envolvidas. Ou seja, omitindo a parte cabulosa sem denegrir outras pessoas. Fica a dica!
      Se nos colocarmos em uma posicao de ideia ja pre concebida, perdemos a chance de entendermos melhor exatamente a vida como ela eh e nao ignoramos problemas existentes.
      A autora apoia a descriminilizacao do aborto, ninguem esta promovendo a morte. Ela e tantas outras quer e exige a autonomia do proprio corpo e responsabilidade das autoridades em projetos de combate a violencia a mulher.
      Voce consegue enxergar que essa violencia partiu de outra violencia domestica? Quando a pai espancou as meninas? De novo, se colocarmos um tapa olho, nao conseguimos enxergar as causas. E por favor nao me venha falar que violencia seria justificavel nesse momento.
      75% dos paises no mundo, adotam a pratica legal do aborto. Seguindo um procedimento seguro a mulher, de baixo risco.
      Voce ja parou e tentou se colocar no lugar de uma mulher que sofreu/sofre agressao fisica ou sexual? O trauma e bloqueio que um ser humano passa?
      Nao existe cabimento um projeto de lei desse que praticamente obriga a mulher a ficar calada e ao mesmo tempo vemos o numero de estupros crescendo?
      Muito feio e desrespeitoso sua interpretacao pessoal de fatos veridicos, sem respeito nenhum as mulheres que sofrem diariamente e sao fragilizadas por uma sociedade machista.
      E quanto ao seu comentario de que feminismo desrespeita o corpo feminino? Oi? Em que mundo voce vive. Tal movimento so veio a dar a voz e luta as mulheres que sao oprimidas.
      Sugiro a voce, estudar, escutar, aprender e principalmente historia. Por mais claro que possa parecer em sua cabeca nao significa que a sua forma de viver seja mais valida do que outra pessoa. Lembramos que, liberdade de expressao NAO significa liberdade de opressao.

  28. Carol

    Oi Claudia! O fato de você nos trazer essa reflexão já a faz ser muito querida.

  29. Camila

    Primeiro gostaria de dizer que sua mãe é uma guerreira, passar por tudo que ela passou não foi nem um pouco Facil.
    Mas não sou a favor do aborto, na verdade sou completamente contra o aborto pq só Deus tem o direito a vida e a morte, ele já nos deu o dom da vida quem somos nos para passarmos por cima disso. Saiba que se vc esta viva é pq Deus tem um plano na sua vida. Ele te ama mais que tudo, uma amor que nos jamais poderemos entender.
    Mas realmente não sei o que vc e sua mãe passaram, mas creio que vcs são vencedoras e ainda irão ser muito abençoadas nessa vida.
    Boa sorte na sua vida e que Deus te abençoe sempre.

  30. alessandra mayumi

    acho que de ser duro expor uma verdade como essa e ainda ler comentário que mais parecem autoajuda quando a sua intenção era alertar…

  31. Adriano

    Claudia, parabéns você tem muita coragem. Fora tudo que você mencionou eu acho que os homens que praticam esse tipo de agressão deveriam ser quimicamente castrados e presos. Pena que sua mãe não foi instruída a prestar queixa, e pena a sociedade enxergar a mulher violentada como culpada e não como vítima.

  32. Angela Lima

    Independente de minha posição sobre o aborto, seu texto me emocionou muito. Claudia, vc tem a minha idade, e eu me imaginei em sua situação. Saber que foi fruto de um estrupro e, acredito que por amor a sua mãe, ser a favor de um aborto, é realmente algo muito difícil. Eu te admiro realmente por defender essa ideia. Vc não foi planejada, foi fruto de algo que não deveria ter acontecido. Mas acredito que tudo nessa vida tem um propósito, não estamos aqui por acaso, e Deus pode transformar maldição em bênção. Ele tem um propósito na sua vida, não tenha dúvida disso. Sei que, ao que digo, vc poderá indagar onde estava Deus quando sua mãe sofreu esta violência. Mas te digo que não é Deus o responsável por toda essa maldade que há no mundo em que vivemos, mas o nosso Inimigo, que desde a sua queda do Céu tem estado tentando nos levar para a sua derrota eterna. Acredite, há um propósito especial na sua vida, na sua existência. Se não fosse assim, ela já teria chegado a termo.

  33. sunahara

    Minha Linda eu penso que vc nao pode e nem deve se sentir culpada, , na verdade vc e tao vitima como sua mae… mas procure nao fazer desta tragedia a sua vida!! ela e muito mais importante doque a forma que vc foi gerada de apoio a sua mae de carinho fale fale fale muito a ela que nao tem importancia a forma como vc foi gerada , mas sim o fato de vc ser a filha dela, procure por outros caminho encontrar a alegria a paz o prazer pela vida .. pense … quem sabe nao foi desiguinado por Deus ja esta forma de vc estar aqui…. pense que vc pode ser muiiito util a sua mae dando a ela carinho amor encinando ela a amar, pois pelo que vi ela nao tinha esse carinho amor na familia do seu pai,…. pense fassa diferente se ame e a ame muito pense que Deus escreve certo por linhas tortas filha… brinque sorria leve ela passear com vc sejam amigas conte lhe tudo e pessa conselhos nao isole ela da sua vida pelo contrario traga a junto de vc demostre que vc necessita dela vc quer necessitar dela diga eu quero vc mae eu quero vc aqui pertinho de mim veja isso pra mim olhe isso pra mim pessa ideias dela fassa ela participar da tua vida….acredito que vcs sao pessoas inteligentes e vao encontrar a alegria a paz a armonia a felicidade independente do que aconteceu la atraz esquece delete esse problema….. pois so quem fez merece sofrer voceis nao!! bjsssss.

    • soprano

      Acho super engraçado, sempre aparecem os crentes para comentar… “Deus talvez tenha um plano”… fácil falar! Já foi estuprada? Já engravidou por conta disso? E os crentes curiosamente sempre comentam num português deplorável, o deve refletir seu nível de instrução.

      • Junior

        Convém ressaltar alguns itens:
        A falta de domínio do vernáculo nem de longe está monopolizada entre os “crentes”. Esse problema cultural é fruto das nossas escolhas políticas, que passa, inclusive pelos letrados e pseudo como vc.
        Crente até o diabo é. Deveria saber disso se julga acima da média. Nós, e aí me incluo, somos cristãos.
        Aborto é a luta do forte contra o inocente. Quem apoia esse ato é tão idiota quanto.
        Partindo da ideia que a mulher violentada foi tão fraca qto o feto – pois incapaz de se defender-, porque então optar por matar e não se matar.
        Deplorável sua linha de raciocínio. Aliás, qtos filhos gerado no seio familiar são indesejados por seus pais? O direito da vida alheia agora deve ser entregue a quem deveria defender? Perdeu o direito do silêncio, que por suas palavras, valeria ouro. Fica somente o desprezo por quem palpita sem ao menos saber do que está escrevendo.

      • Rhaisa Figueira

        Soprano, esta não é pra vc, mas como não consegui comentar pro acéfalo (cristão) abaixo, escreverei aqui mesmo!
        Muito fácil vc Júnior como homem e cristão esses “blablazismos” de igreja que o feto é um ser inocente e isso não dá direito de “matá-lo”. Inocência é no dicionário ; 1. Qualidade ou estado de inocente. 2. Ignorância do mal; pureza; simplicidade, ingenuidade. 3. Isenção de culpa. Características essas só empregadas a um ser racional que tenha um caráter psicológico a ser avaliado (inocência), coisa que um feto antes de 3 meses de idade não possui nem um sistema nervoso central formado, o que dirá um caráter psicológico, portanto equivale a qualquer outro animal sem SNC (Sistema Nervoso Central) como por exemplo estrelas do mar.
        Muito fácil você HOMEM, falar sobre estupro e aborto, sobre coisas que você jamais conhecerá, pois não tem uma vagina e muito menos um útero. Também te convido ir à ala de psicologia do Hospital Pérola Byton em SP que trata de mulheres e crianças estupradas, onde a maioria foram estupradas por seus pais, padrastos, irmãos, tios, padrinhos… e também quero que vc e a sua igreja (da qual vc enche a boca pra dizer que é cristão) conheçam as crianças de 9 à 12 anos que deveriam estar brincando e curtindo a sua inocência que vc tanto preza (esses sim vc pode dizer que são crianças inocentes, um feto nunca será, como expliquei anteriormente), mas não podem pq tiveram sua infância dilacerada por um homem que as engravidou e tenho que ouvir DE UM CRISTÃO QUE ESTA MESMA CRIANÇA DEVE GERAR UMA OUTRA VIDA PQ DEUS QUER!
        Primeiro quem é vc pra saber o que Deus quer ou deixa de querer? Segundo, vc falou em se matar, então faz o seguinte mate-se que vc já está fazendo um favor pra humanidade!
        Vc pode carregar a bíblia que quiser na sua mão, no MEU ÚTERO eu carrego quem EU quiser!

        • José Antonio Rosa

          Rhaisa, vou tomar a liberdade de responder essa, no espaço do Soprano, e que não tem a finalidade de defender as razões do Junior até mesmo porque não as conheço. Até os séculos III e IV não existia o conceito de pessoa. Esse conceito vai surgir dentro do cristianismo e foi uma das grandes contribuições para a humanidade. E por que esse conceito foi importante? Porque passou a nos diferenciar de qualquer outro animal, uma estrela do mar, por exemplo, ou de uma coisa. Ou seja, o homem não é apenas um indivíduo, mas uma pessoa. Passamos entender, entre outras dimensões também importantes, a pessoa como um ser em si, um ser para si e um ser com outrem. Entretanto, esse conceito não permaneceu linear ao longo dos tempos. Houve uma ruptura. Essa ruptura foi se alargando e sua maior extensão ocorreu no início da década de 1930 na Alemanha nazista. A fragilização do conceito de pessoa gerou o Holocausto e Gulag soviético. A preservação do verdadeiro conceito de pessoa e a sacralização do direito à vida são fundamentais para que preservemos a civilidade e civilização. Caso contrário nos tornamos bárbaros esclarecidos.

  34. sunahara

    sou a favor do aborto sim. pois acredito que um filho um ser humano so pode vir a este mundo e ser feliz se for querido se for desejado vim a este mundo, nao um ser gerado por um ato de violencia e ate uma maldade permitir que um ser gerado nestas condicoes venha ao mundo , pois e obvio que vai ser infeliz revoltado mal amado, e simplesmente um sofrimento prolongado pra este ser, sem contar a mulher que angustia estar obrigada a carregar no seu ventre o fruto de uma descomunhal violencia , pelo amor de Deus nos mulheres nao podemos aceitar isso ….filho so se for desejado feito com conciencia com amor e com total controle e querer.

  35. anafredericobalani

    Claudia,
    Independente de ser a favor ou não do aborto, gostaria de te convidar a conhecer um trabalho chamado “renascendo com amor”. Veja o link: http://www.tadashi.com.br/Treinamentos/Renascendo-com-amor/

    Este treinamento pode ser uma chance única para você resignificar muitos desses sentimentos que você fala no texto. Infelizmente não podemos voltar atrás e mudar o que já aconteceu, mas podemos mudar a forma como encaramos tudo isso!

    Desejo que você e sua mãe encontrem muita paz e amor uma na outra. A vida começou por um caminho muito difícil, mas como você mesma disse, hoje vocês vivem uma realidade muito melhor! Seja feliz e lute sempre pela sua felicidade!

    Ana

    • Alessandra

      Claudia, obrigada por dividir sua história, geralmente ouvimos e lemos apenas a história de alguém que sofreu algum tipo de violência direta, é a primeira vez que leio um relato do fruto da violência.

      Saindo fora desse papo de “Deus lhe abençoe”, o importante é procurar orientação psicológica para que isso não interfira ainda mais no seu futuro.

      Desejo muita luz .

      Alessandra
      @cervejaesmalte

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: