Nada segura as mulheres do hip hop

“Tu no me vas a humillar, tu no me vas a gritar
Tu no me vas someter tu no me vas a golpear
Tu no me vas denigrar, tu no me vas obligar
Tu no me vas a silenciar tu no me vas a callar”
– Ana Tijoux (Anti Patriarca)

Com o objetivo de conhecer um pouco melhor três vozes femininas que derrubam fronteiras no rap / hip-hop, gêneros musicais ainda essencialmente dominados pelos homens, fomos até São Carlos, no interior paulista, durante o Festival Multimídia Colaborativo Contato, acompanhar de perto o trabalho, a histórias e os percalços destas três corajosas e inspiradoras artistas: Ana Tijoux, Miss Bolívia e Karol Conká.

Antes de falar sobre as entrevistas, é preciso abrir um parênteses aqui sobre representatividade e até a importância da iniciativa do “Entreviste uma Mulher”. Quando descobri que era a única jornalista mulher do grupo, não sabia se ficava chateada ou feliz (afinal, pelo menos eu estava lá para representar). Mas conversando com meus colegas, acabei ficando um pouco chocada ao saber que nenhum deles iriam entrevistar a Ana Tijoux ou a Miss Bolívia, apesar de serem as únicas atrações internacionais do festival. Fiz uma certa campanha, e a Tijoux acabou sendo entrevistada por outro veículo, mas mesmo assim, foi um baque muito grande dar de cara com essa realidade.

Aqui, faremos diferente e todo espaço será dado a elas:

ANA TIJOUX

ana 2

Chilena de raízes indígenas e criada na França durante o exílio dos pais por conta da ditadura de Pinochet, Ana começou como MC do grupo Makiza. Lançou em 2007 seu primeiro disco solo, e desde então se destaca no cenário mundial com sua mistura de hip-hop e pop latino. Seu hit1977 entrou na trilha da amada série Breaking Bad. Em 2014 lançou “Vengo”, seu quinto álbum, já sem utilização de nenhum sample (prática clássica do hip-hop), segurando suas rimas apenas com a excelente banda. Suas letras são pautadas pelo feminismo, pos colonialismo, violência, e seu constante ativismo em questões sociais.

foto 2

“Liberarse de todo el pudor,

Tomar de las riendas,
No rendirse al opresor.
Caminar erguido, sin temor,
Respirar y sacar la voz.”
-Ana Tijoux (Sacar La Voz)

MISS BOLIVIA

bolivia 2

Apesar de usar o codinome Bolívia (por ter morado memoráveis 6 meses no país), Maria Paz é na verdade Argentina, morou por dois anos na cozinha de um casarão abandonado de um amigo em La Boca. A cantora já lançou dois álbuns desde 2008, que misturam rap, cumbia, funk, dance-hall. Nesse período já levou seu som para turnês internacionais onde acrescenta artes visuais e dança em apresentações performáticas e eletrizantes.
Psicóloga há 10 anos, e professora de Universidade, a artista trabalha em um estudo sobre os benefícios físicos e sociais da legalização da maconha. Porém deixou de lecionar há dois anos já que não era mais levada à sério na sala de aula e pela própria Universidade ao adotar o visual de dreads e se tornar uma cantora cada vez mais famosa.

foto 3

“Voy con musica vos con lucha ma
suena de mujer a mujer, toma mi mano
quiero sanar tus heridas
quiero transformarlo en memoria y vida”
– Miss Bolívia (Rap Para Las Madres)

KAROL CONKÁ

karol 1

A curitibana Karol Conká aparece como um dos destaques do Festival, em excelente momento da sua carreira. Logo após voltar de uma longa turnê internacional, Karol que conseguiu visibilidade pelo MySpace, concorreu `a artista revelação no extinto VMB, lançou seu primeiro EP em 2011 e seu primeiro disco, Batuk Freak, que mescla elementos do rap tradicional com sons típicos brasileiros em 2013. Suas letras falam de empoderamento, feminismo, autoestima de uma forma leve, dançante e divertida.

foto 4

“Se quer medir forças sei que me garanto,
Sem conversa froxa, sem olhar de canto,
Fecha a boca, ouça, eu não tô brincando,
Sua estratégia fraca já vo chega te derrubando.”
– Karol Conká (Me Garanto)

NO PALCO

Apesar de beberem das mesmas fontes, a apresentação das três artistas são absolutamente diferentes entre si. Enquanto Ana forma uma unidade em total sintonia entre ela e sua banda, fazendo com que a gente realmente entenda o conceito de igualdade de gênero, Karol é a rainha absoluta de seu palco, dominando-o de ponta a ponta, deixando para os seus músicos o papel de coadjuvantes. Já Miss Bolívia, que costuma viajar com sua crew de vários músicos, estava contando apenas com 3 no palco, e mesmo assim utilizou sua voz, corpo, dança e energia para transformar sua apresentação em uma festa `a céu aberto para delírio do público.

COMEÇO DE CARREIRA

Em comum, o começo da carreira das três foi marcado justamente pela mesma questão: mulheres seguindo um caminho fora dos padrões sociais, desconstruindo estereótipos.

Ana, apesar de admitir se envolver tardiamente com o feminismo, sempre procurou fugir dos temas machistas e violentos do gênero. Karol, que segundo sua mãe faz hoje no palco a mesma coisa que fazia quando criança na frente das bonecas, ficava ofendidíssima quando a elogiavam dizendo que ela “rimava como um cara”. E Bolívia, apesar de ter começado “tardiamente”, aos 30 anos tocando bateria, costumava ouvir todo tipo de desencorajamento por parte dos caras que simplesmente não acreditavam em seu trabalho.
SER MULHER NO MEIO RAPPER

Críticas e perguntas indiscretas não faltam nesse quesito. Ana Tijoux conta que sempre teve que lidar com jornalistas mulheres perguntando “Mas por que o rap?” — o que considera uma pergunta em si machista. Miss Bolívia diz que apesar de ter que constantemente provar seu valor no começo de carreira (já não bastasse o desafio de convencer a si mesma), constata que depois que enfrentou essa barra, conseguiu conquistar respeito e que hoje os caras de sua equipe se tornaram grandes parceiros. Já a Karol costumava chegar botando tanta banca e tanta marra que os caras se intimidavam com tamanha atitude, e a garota sempre saía por cima. Ela aproveita sua posição de destaque no meio para ser a voz das mulheres, escrevendo pensando nelas, e credita parte do boom de seu sucesso ao conteúdo de suas letras de autoestima e superação, enquanto rebola de mini shorts, sem se importar com celulite e mandando a galera mexer a pélvis de cima do palco.
“Vai com calma, rapaz, mais respeito
Dá dez passos pra trás, fica ai mesmo
É bom ter disciplina se quiser sair ileso”
– Karol Conká (Gandaia)

“Deixa ela, deixa!
Ser livre, seguir sem se importar
Se quiser ir pra qualquer lugar que vá
Não tem asas mas pode voar
Ela só quer viver, ela só quer viver!
Andar de sandália pela Jamaica”
– Karol Conká (Sandália)

CONTATO COM O FEMINISMO

Ana Tijoux chega a quase se desculpar pelo seu envolvimento “tardio” com o feminismo. Segundo ela, foi por ignorância mesmo: antes até se referia às militantes como feminazis, como muitas de nós. Foi quando leu e refletiu mais sobre o tema, com a ajuda de autoras como Simone de Beauvoir, que a ficha caiu e ela se encontrou, sendo hoje uma das grandes ativistas da causa.

O contato de Karol com as questões de gênero se deram de uma forma inusitada: aos 10 anos, sua melhor amiga era uma travesti de 35 anos. Desde cedo, ela brincava de ser travesti e, queria porque queria ser uma delas quando crescesse. Esse foi um dos seus primeiros contatos com as questões de gênero e com o preconceito e incompreensão que as minorias sofrem. Em suas letras e durante seus shows, Karol abusa da performance, botando para fora toda sua maravilhosidade e influência da sua amizade de infância, conquistando em cheio o público gay.

Já Miss Bolívia tem atitude digna de uma riot grrrl em seus shows, afinal, ela mostra o corpo, rebola, dança e grita “Free Marijuana!” para um público que dificilmente sabe respeitar uma mulher. Ela conta que uma vez durante uma apresentação, em um momento de silêncio, um cara gritou “ABRA SUAS PERNAS”. Ela abriu e respondeu “Ok, abertas porque eu quis e o que você vai poder fazer agora? Nada. Então fica aí na sua”. O público foi a delírio e aparentemente nunca mais ninguém fez uma gracinha dessas.

“Dicen que soy caprichosa,
que soy jodida y que soy celosa
dicen de mí tanta cosa, y todo están de acuerdo,
que tengo lengua peligrosa”
– Miss Bolívia (Caprichosa)

VIOLÊNCIA NA INTERNET

A internet pode ser um lugar bem hostil, especialmente se você é mulher, com o agravante de fazer sucesso. Ana diz que não liga a mínima e apenas dá risada. Bolívia, que no começo se importava, mas hoje em dia superou. Os xingamentos de “vagabunda” são frequentes, mas por uma questão de manter o karma limpo, ela simplesmente não responde. Já Karol teve que ouvir acusações machistas e cruéis de que “estava estragando o rap”, seguidas de “quem é você para mandar as meninas rebolarem” e até “essa neguinha é feia” quando lançou seu primeiro disco. Do alto de sua segurança, Conká apenas vê essas pessoas como seres que infelizmente estão aprisionados em um padrão ignorante. Mas nós sabemos como é difícil ser mulher todos os dias, imagine em um ambiente predominantemente masculino e tão hostil com elas.

MATERNIDADE

Se mulheres que se dedicam à sua profissão e seguem seus sonhos normalmente são julgadas e cobradas em relação aos filhos, o que dirá sobre rappers que vivem em turnês? Ana é enfática ao falar como lida com as pressões e julgamentos: “Minha casa é o meu templo e como eu crio meu filho está absolutamente fora de questão”.

Karol se abre e conta que depois que teve seu filho, aos 19 anos, precisou lutar contra uma forte depressão que durou 2 anos. Por causa do pensamento machista geral e dos comentários clássicos de “engravidou, tá fodida”, ela, que sempre sonhou ser cantora, achou que era o fim de uma carreira que mal tinha começado. Um dia, olhou para o filho dormindo no berço e se questionou “por que eu tô fodida? Quem disse que eu tô fodida?” e decidiu provar para todos que eles estavam errados.

Enquanto isso, Miss Bolívia, 39 anos, optou por não ter filhos biológicos: argumenta que seu corpo é seu instrumento de trabalho e que precisa de pelo menos de 6h de tempo para si mesma, então não se sente pronta para lidar com um bebê completamente dependente dela. Pensa em adotar uma criança já maiorzinha: “as pessoas gastam rios de dinheiro tentando engravidar, sendo que as crianças já estão aí no mundo, esperando por um lar”.
DICA PARA AS GAROTAS QUE ESTAO SEGUINDO OUTROS CAMINHOS

A melhor parte de ter passado por dificuldades é poder abrir caminho e passar sua experiência para quem está começando agora.

O conselho de Ana é que você, antes de tudo, deve saber o que quer fazer, com quem quer fazer, como quer fazer e então traçar o caminho que vai seguir. Ter isso bem claro em sua mente e disciplina para seguir em frente é o que ela tem de mais valioso para dividir com as garotas que querem seguir caminhos não convencionais.

Karol fala para as garotas fazerem o que ela fez consigo mesma: “olhe-se no espelho, se aceite como é e lembre que todo mundo um dia irá morrer. Ficar pensando no que os outros irão achar ou tentar agradar pessoas que não sabem nem o que querem só vai fazer com que você perca um tempo imenso de sua vida, que não tem volta. Então pense em você em primeiro, segundo e terceiro lugar e se respeite. Só assim é possível respeitar o próximo.”


Débora Cassolatto é redatora, curadora musical e DJ há mais de 10 anos nas casas rockers do baixo Augusta. Criadora do tumblr parceiro da MTV Brasil Ouvindo Antes de Morrer onde ouve, posta e compartilha impressões sobre todas as músicas do livro “1001 songs you must hear before you die”, entre outros conteúdos sobre música. Também fundou o blog Música de Menina, espaço que subverte a questão de gênero e música.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: